Sol – 03 de Maio – Dia Internacional do Sol

O Sol (do latim sol, solis, “deus Sol invictus” ou “sol”, Helios na mitologia grega, por sua vez da raiz proto-indo-européia sauel-, “brilhar”) é uma estrela que está no centro do sistema solar e constitui a maior fonte de radiação eletromagnética neste sistema planetário.


É uma esfera de plasma quase perfeita, com um movimento convectivo interno que gera um campo magnético através de um processo dínamo. Cerca de três quartos da massa do Sol consiste em hidrogênio; o resto é principalmente hélio, com quantidades muito menores dos elementos, incluindo oxigênio, carbono, néon e ferro.

Na simbologia, é tão complexo como contraditório. Se por um lado existe a representação da vida – possivelmente sem ele não existia vida na Terra, por outro lado é aquele que pode, ao mesmo tempo, destruir tudo e todos. Traz vigor, energia e vontade e em excesso pode remover tudo o que há ofertado anteriormente. Muitas vezes está associado com as preocupações mundanas (por causa das nuvens), por outro lado com as esperanças de dias melhores e ainda com a boa sorte (por sua correlação com o arco-íris).

Sempre que desejamos sucesso e êxitos, pensamos no Sol. Claro está que, o Sol, possibilita através da luz, que maior parte do que está manifestado ou está se realizando no mundo da matéria, seja visível. Numa conversa com uma arteterapeuta – que preferiu não se identificar, disse que ela pede para seus pacientes desenharem o Sol – assim ela terá referências para interpretar o estado de ânimo deles e como está avançando a terapia.

Na Austrália, para alguns povos nativos, o Sol é a manifestação do Filho do Supremo Criador, já em outras regiões eles o associam com o “bom olho”.

Para inúmeras crenças o Sol é portador do emblema da imortalidade – talvez seja por isso que os egípcios antigos o adoravam.

Sem dúvida o Sol traz consigo a mensagem de repetição, conservação e estabilidade, porque ele se “apresenta” sempre da mesma forma no céu, o que não acontece com a Lua – por suas fases.

Foto por Pixabay em Pexels.com

É uma importante (importantíssima) fonte de energia – prova é que há sistemas (maiormente em formato de painéis) de energia solar para suplantar as necessidades de energia elétrica.

Foto por Pixabay em Pexels.com

Platão, no seu livro A República (507b-509c [parte VI]) , usa o Sol como uma metáfora para a fonte da “iluminação”, presumivelmente da iluminação intelectual, que argumentava ser a Forma do Bem, que por vezes é interpretada como a noção de deus (modo operandi de tudo) para Platão. A metáfora é sobre a natureza da realidade última e sobre como o conhecimento é adquirido. Sócrates é o narrador de A República, mas é geralmente aceito que os pensamentos expressados são os de Platão.

Por © Marie-Lan Nguyen / Wikimedia Commons, Domínio público, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=7831217

O olho, diz Platão (ou Sócrates?), é pouco usual entre os sentidos, visto que necessita de um meio, a luz, para conseguir funcionar. A melhor e mais forte fonte de luz é o Sol; com a sua luz, os objetos podem ser apreendidos de maneira clara. Raciocínio análogo pode ser dito dos objetos inteligíveis, isto é, das formas eternas e fixas que são os objetos últimos do estudo científico e filosófico.

Por C messier – Obra do próprio, CC BY-SA 4.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=47318427

Muitos atribuem ao Sol um poder sobrenatural, de influência celeste e espiritual. E está tudo bem, também! E por que não? Há explicações: isso porque, além de ser possível se tornar visível, esta importante estrela pode vivificar ou seja, tem o poder de manifestar. Por exemplo, através dele é possível admirar o crescimento das plantas…

A referência para inúmeras tradições o Sol é masculino, rei, líder. Entretanto, há culturas que acreditam que o Sol é feminino.

Na mitologia nórdica, Sól é a deusa do Sol, filha de Mundilfari e Glaur, e esposa de Glenr. Seu nome correspondente em inglês antigo é Sigel ou Siȝel (/ siyel /) e em proto-germânico, * Sôwilô ou * Saewelô. Ainda mais antigo se encontra o nome de Sunna.

Abaixo Sól(Sol) com seu irmão Máni (Lua).

By Lorenz Frølich – Published in Gjellerup, Karl (1895). Den ældre Eddas Gudesange, page 22., Public Domain, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=4669492

Foi formado há aproximadamente 4,6 bilhões de anos a partir do colapso gravitacional da matéria em uma região de uma grande nuvem molecular. A maior parte dessa matéria se acumulou no centro, enquanto o resto se achatou em um disco orbital que se tornou o sistema solar. A massa central tornou-se cada vez mais densa e quente, eventualmente levando à fusão nuclear em seu núcleo. Acredita-se que quase todas as estrelas sejam formadas por esse processo. O Sol está mais ou menos na idade intermediária e não mudou drasticamente por mais de quatro bilhões de anos, e permanecerá razoavelmente estável por outros cinco bilhões de anos.

Dá para imaginar mesmo o quanto e porque o Sol está associado com os povos originários com a estabilidade, tem sentido… Cinco bilhões de anos é bastante, verdade?

Um abraço solar

Até breve!

Grata pela visita, volte sempre!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: